quarta-feira, 9 de janeiro de 2008

Standislau Macário - “Ao Vencedor As Batatas”

(Fábio Botler - semsenso@gmail.com)
Depois de muito saborear os diversos pratos que rodeiam o mundo, resolvi me dedicar a uma pesquisa não-nutricional sobre um tubérculo em particular: A Batata. Esta que hoje chega a ocupar elevado lugar em minha pirâmide alimentar um dia foi simples personagem da literatura brasileira. Venho através deste, com único e principal objetivo a defesa de uma tese político-econômica com relação às batatas. Personagem que acredito ter enorme representatividade na economia mundial, mas que nunca foi lhe dada a devida importância; por exemplo: qual o estado brasileiro que mais produz batatas? Minas Gerais.
Para se ter uma idéia da importância da batata no dia-a-dia, basta-nos saber que a vodka é apenas um simples destilado seu. Sua utilidade é tanta que chega até a produzir energia, conseguindo criar uma tensão de quase 1volt e meio.
No Brasil nós temos uma enorme diferença no uso das batatas relacionado com as regiões: no nordeste o cachorro-quente é composto por salsicha, milho, ervilha, batata palha, entre outros; já no sul do país este vem com adição de um ingrediente extremamente indispensável: o purê de batatas. Este fato é suficiente para entendermos as diferenças econômicas e sociais entre as regiões do Brasil. Mas hoje todos só dão atenção à soja.
Na Inglaterra o prato que demonstra a cultura local é o famoso filé de peixe frito com batata e esta passa a ser então o maior alimento consumido em tal localidade, sem contar que a maioria das guerras que os envolviam era movida a batatas, inclusive a colonização norte-americana. Em inglês, batata frita se chama French Fries, citando assim, mais um país da Europa, um dos desenvolvidos.
Os Incas já usavam batatas em suas cerimônias a mais de mil anos. Estudos comprovam que várias culturas infantis usam batatas para fazer pequenas estatuetas, provavelmente representando as suas divindades. Além do mais, o nome batata é um substantivo simples, de três sílabas mais simples ainda, com uma única vogal, que pode compor o vocabulário de crianças de dois anos, ajudando no desenvolvimento psicológico e estimulando a comunicação.
Podemos ver que a batata um dia desenvolveu uma casca para sua proteção, mas ao perceber a utilidade de se esconder de baixo da terra, passou a direcionar suas energias para tal ato, regredindo a capacidade defensiva de sua casca. Hoje podemos ver que vários animais que na pirâmide evolutiva estão em posição superior invejam esta habilidade tentando ao máximo se esconder de baixo da terra, por exemplo, o avestruz, que esconde a cabeça debaixo da terra no primeiro sinal de perigo. A formiga passa a vida inteira debaixo da terra, sai apenas para encontrar alimentos. Os seres humanos, se fossem racionais, passariam mais tempo debaixo da terra para se proteger da radiação ultravioleta emitida pelo deus Sol.
Entre as várias maneiras de ingestão, a mais popular de todas que já conquistou o mundo inteiro, graças ao Mc donald’s, é a batata frita, que é uma das maiores fontes de alimentação e assim, saúde para os EUA (apesar de controvérsias com relação à chamá-la de batata). Temos também a batata doce, que excita os instintos mais saudáveis do ser humano. Sua consistência dura-não-mole nos permite ainda comê-las cozidas, assadas, lavadas, sujas, aladas, enrugadas etc... E tudo indica que serão a próxima forma de vida dominante. Não restando assim, após este, dúvida alguma de que a batata exerce sim um papel fundamental na economia e assim na sociedade.
* - Machado de Assis

1 Comentários:

Às 16 de março de 2008 22:05 , Blogger Ricardo Agostini Martini disse...

"o avestruz, que esconde a cabeça debaixo da terra no primeiro sinal de perigo"

Isso não acontece empiricamente, ao invés do que muitos supõem.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial